27 dezembro 2016

RESENHA: A MENINA QUE ROUBAVA LIVROS


Ao perceber que a pequena Liesel Meminger, uma ladra de livros, lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. A mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. O único vínculo com a família é esta obra, que ela ainda não sabe ler. Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a conivência do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que lhe dá lições de leitura. Alfabetizada sob vistas grossas da madrasta, Liesel canaliza urgências para a literatura. Em tempos de livros incendiados, ela os furta, ou os lê na biblioteca do prefeito da cidade. A vida ao redor é a pseudo-realidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela História.



Título: A Menina Que Roubava Livros

Autor: Markus Zusak

Editora: Intrínseca



Olá leitores! Venho falar sobre um livro que mexeu muito comigo e creio que de todos aqueles que também já leram. Foi lançado o filme, o qual fez muito sucesso e por causa deste o livro também ganhou capa nova. Sei que muitos já leram e assistiram o filme, mas deu aquela vontade de falar um pouco do livro que você respeita. Então vamos lá!

A menina que roubava livros é aquele book que todo mundo tem que ler, todos precisam ouvir o que Liesel tem a falar. Uma garotinha cheia de problemas, cheia de lutas, onde parece que a morte a cerca de todos os lados, e mesmo com todos esses problemas ela se apega aquilo que para nós leitores é a melhor coisa do mundo: os livros. Para mim Liesel é uma das representantes mais fies e notáveis para nosso mundo dos livros. Gosto muito mesmo dela, seu jeito inocente de olhar para mundo, para as pessoas. Ela consegue puxar nossa atenção para coisas que hoje em dia não tem valor, nos mostra o quão bonita a vida é, o quão a natureza pode nos fazer feliz.

Esse livro vem contar a vida de Liesel que é obrigada a morar com pessoas que nem conhece por causa de problemas familiares e a situação vivida na Alemanha naquele tempo (2° Guerra Mundial). A vida dessa  menina é totalmente difícil, onde parece que a morte está sempre pronta para levar alguém que ela ama, mas mesmo com essas lutas e dificuldades ela começa a encontrar motivos para ficar alegre, primeiro seu pai, depois seu melhor e doido amigo, os livros, um judeu e o céu.




"E o riso dela? Era algo absolutamente dominador. Ninguém tinha a menor chance diante dele."

Liesel ver seu irmãozinho morrer no caminho de sua nova casa e encontra o livro que o coveiro deixou cair na neve, é a partir deste momento e ela toma gosto pelos livros, entretanto, ainda não sabe ler e escrever e por isso sofre bullying na escola, mas, seu querido pai com toda a atenção do mundo e amor pela menina começa a ensiná-la, onde aos poucos desvenda cada letra e cada frase do livro do coveiro e se torna amante do livros.

A nova mãe de Liesel, acho ela uma gracinha, ao mesmo tempo que ela é rabugenta, chata e mão de vaca, por dentro tem um coração bom e ama sua família. Por causa dela o livro se tornou muito engraçado e divertido.


Rudy é um garotinho muito legal e divertido, é amigo da protagonista e sempre pede um beijo de Liesel. É viciado em corrida e sonha um dia se torna o melhor do mundo, superando seu ídolo.

"Que tal um beijo, Saumensch?"

IIsa Hermann é a mulher  do prefeito. Uma mulher solitária e triste, entretanto, uma heroína para Liesel, pois é ela que dá e empresta os livros para a garotinha. No começo Liesel roubava os livros, porém, quando IIsa descobriu fez questão de emprestá-los.

"Odiei as palavras e as amei, e espero tê-las usado direito."

Max é um Judeu e se esconde na casa onde Liesel mora. A polícia está atrás dele então a garota não pode falar nada pra ninguém. Durante esse tempo, Liesel e Max se tornam muito amigos, onde um ajuda o outro. Gosto muito dele, é gentil, inteligente e amigável. Sei que ele vai conquistar o coração das leitoras.
"Ele lhe dera as mais belas páginas de sua vida."
E o mais interessante a história é contada pela a MORTE, diferente vocês não acham? Confesso que no começo da leitura foi um pouco enrolado de se entender, mas depois que assimilei tudo o que tava acontecendo, aí foi moleza. Amei esse narrador, porque é algo muito difícil de se ver, então foi uma experiência incrível. 

"Quando a morte conta uma história, você tem que parar pra ouvi-la"
E o que falar da  capa original do livro? Maravilhosa! Eu não sei vocês mais eu sou completamente apaixonada por capas bonitas. Quando olho pro livro dá uma vontade de pegar e ler só por causa da bendita capa. Não desmerecendo a capa que veio do filme, mas a original é sem comparação! 

O livro vem com tantas realidades que ás vezes chega a doer. Mostra a verdade sobre as pessoas e o mundo. 

Se você ainda não leu esse livro, por favor, corra para comprá-lo, pelo menos eu super amei a história, ainda mais por está dentro de momentos históricos que amo. 
Assista também o filme, está muito bom, muito legal e bem produzido. 
Uma dica: Leia primeiro para depois assistir!




10 comentários:

  1. Eu sou louca pra ler esse livro, mas até agora nada.
    Fiquei com mais vontade ainda.
    Adorei seu blog!
    Um beijo ♥

    http://www.bybruni.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Esse livro é incrível! Você precisa ler então, bote na sua lista de 2017.
    Obrigada, visite sempre
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Eu li esse livro há muitos anos, tinha uns 12 se não me engano... E me marcou muito, lembro que adorei! Quando vc disse que "O livro vem com tantas realidades que ás vezes chega a doer" é a maior pura verdade!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hi! Também me marcou muito, super amei quando eu li. O livro é maravilhoso, um dos melhores.
      Beijos

      Excluir
  4. Acho que esse foi um dos primeiros livros que eu comprei de fato, antigamente eu sempre alugava na biblioteca da cidade... Faz tanto tempo que eu li que eu nem sei mais por onde ele está :/ vou até procurar hahah
    Mas apesar do tempo eu lembro de ter amado esse livro, e foi graças a ele que eu comecei a me interessar pelo alemão (língua), e quem sabe um dia eu não vá pra Alemanha né?
    Beijos, Carly.
    www.carligrafias.com

    ResponderExcluir
  5. Eu li esse livro muitos anos atrás e amo ele de verdade. Foi uma história que mexeu muito com meu coração. As citações que você destacou inclusive são algumas das minhas favoritas!

    Beijos
    www.jadeamorim.com.br

    ResponderExcluir
  6. Eu adoro esse livro, é um dos livros de ficção que eu mais gosto. Quando comecei a ler e vi que o narrador da história era a morte achei sensacional. É um livro emocionante e contagiante mesmo <3

    Beijos
    http://www.colecaodeacasos.com.br/

    ResponderExcluir
  7. a primeira vez que li o livro eu tinha 11 anos, ONZE ahah sete anos atrás. Depois, li de novo e a minha visao sobre foi bem diferente, é bacana fazer isso. O livro é incrivel, sensivel e bem escrito, amo muito

    ResponderExcluir
  8. Olha eu amei o livro, amei o filme, acho que conta a forte história da alemanha nazista com muita fidelidade e delicadeza. Sua resenha foi ótima, bem opinativa, gosto quando as pessoas dão uma pitada de honestidade nas resenhas.

    ResponderExcluir
  9. Aiii, eu tinha um certo preconceito com esse livro e nem sei porque. Essa é a primeira resenha que leio dele na vida e fiquei tão curiosa ♡ só esperar ter dinheiro de novo pra comprar

    ResponderExcluir